Análise: Devil May Cry 5

0

Caçar demónios e exorcizar criaturas do mal, sempre com muito estilo, é a proposta da série Devil May Cry, uma saga que há muitos anos nos tem habituado a grandes aventuras e muitas horas de diversão. A mais recente edição, Devil May Cry 5 é uma continuação da história principal, ao mesmo tempo que serve como um regresso às origens da série. O último jogo remonta a 2013, numa reinterpretação do estúdio Ninja Theory, que, embora tenha recebido boas análises dos críticos, não agradou a todos os jogadores. Em Devil May Cry 5, a Capcom volta a apostar em Hideaki Itsuno, o diretor veterano da saga, que reuniu em seu redor uma equipa muito experiente, com elementos responsáveis por grandes títulos, como Bayonetta 2, Nier Automata, Project Zero e Resident Evil.

À partida, tudo parece garantido para que Devil May Cry 5 seja uma aposta acertada. A equipa de desenvolvimento é reconhecidamente boa, o timing é talvez o ideal perante o recente desempenho dos jogos da Capcom, e os fãs estão sedentos de poderem jogar uma continuação das histórias de Dante e os seus companheiros. Naturalmente, quando a expectativa é muito alta, a queda pode ser ainda maior. A receção e a reação dos fãs a esta nova edição ditarão a continuação do sucesso da franquia. Nesta análise ditamos a nossa experiência como caçadores de demónios, num dos títulos mais aguardados pelos fãs do género hack and slash.

Saga Devil May Cry
Saga Devil May Cry. Imagem: DR

DEVIL MAY CRY

Desde 2001, ano de lançamento do primeiro jogo da série Devil May Cry, que somos convidados a vestir a pele de Dante, um herói caçador de demónios, com poderes sobre-humanos e que promete limpar a Terra de todas as criaturas do mal. Jogado na terceira pessoa, a série Devil May Cry caracteriza-se no género Hack and Slash, onde a principal motivação do protagonista é vingar a morte da sua mãe e descobrir os responsáveis por corromper o seu irmão gémeo, Vergil. Criado por Hideki Kamiya e desenvolvido pela Capcom, o primeiro jogo da série surgiu de uma forma inusitada. Primeiramente pensado como uma sequela para a saga Resident Evil, a equipa percebeu que o conceito não se ajustava inteiramente ao género pretendido. Após alguma ponderação, a produtora decidiu criar uma nova história a partir de um novo conceito idealizado. Afinal, matar zombies em Resident Evil, dentro de um género de sobrevivência e horror, não seria tão ‘cool’ como chacinar demónios na pele de Dante, onde ganhamos pontos de estilo pela elegância dos nossos movimentos artísticos de luta. Assim, surgiu o primeiro jogo para a PlayStation 2, tendo recebido enormes elogios da critica especializada. A Capcom foi mais uma vez premiada por não desistir de inovar com novas histórias, depois de ter feito o mesmo com a própria série Resident Evil, que surgiu em circunstâncias semelhantes.

No ano de 2003 foi lançada a primeira sequela, Devil May Cry 2. Ao contrário do seu antecessor, a sequela não recebeu a aprovação dos críticos, principalmente por divergir fortemente da mecânica do jogo anterior. A Capcom quis redimir-se com Devil May Cry 3: Dante’s Awakening, lançado em 2006. Desta vez, aclamado pela crítica, esta terceira aventura regressa às origens da saga, apresentando ainda melhorias gráficas e de jogabilidade.

Devil May Cry 4 chegou em 2008, apresentando Nero como o novo herói. Apesar da mudança de protagonista, o jogo foi bem-recebido pela comunidade. Para alguma surpresa, em 2013 a Capcom apresentou DmC: Devil May Cry, um completo recomeço da história da saga. Sem grandes elogios, a comunidade não ficou impressionada, levando a Capcom a repensar a sua estratégia. Devil May Cry 5 surge em 2019, numa tentativa de reconciliação, com uma história que segue a tendência da saga original, e introduz novos personagens ao lado dos heróis já conhecidos.

Devil May Cry 5

DEVIL MAY CRY 5

Hideaki, o diretor da saga, pode não ter arriscado muito na história, mas no que toca ao visual dos personagens, reparamos logo em algumas novidades, principalmente quando comparado com Devil May Cry 4. Nero, por exemplo, tem um visual semelhante ao de Dante em DmC: Devil May Cry, enquanto o próprio Dante parece agora muito mais velho. Este é um detalhe importante, uma vez que o estilo e as roupas dos personagens são um dos destaques da série. As surpresas não se ficam pela indumentária. Este novo título introduz novos personagens, como Nico, a mecânica responsável pela criação do novo braço de Nero. Com um sotaque marcado, e uma forte personalidade, Nico exibe uma genialidade própria na construção de novos equipamentos que nos vão ser muito úteis no decorrer do jogo.

Se falamos em visuais, temos de dizer que a essência deste Devil May Cry 5 foi garantida graças à utilização do motor de jogo da Capcom, o RE engine, que produz cenários e cutscenes de alta qualidade, logo desde o primeiro acto e que combinam bem com os diálogos e piadas subtis da história.

Devil May Cry 5
Devil May Cry 5. Imagem: DR

Obviamente, a história é importante. Mas, se nunca jogaram nenhum dos outros jogos da saga Devil May Cry, não desesperem! Antes de iniciarmos o jogo, podemos assistir a um resumo das histórias anteriores, com um detalhe importante, DmC, lançado em 2013, nem sequer é referido!

Independentemente se dominamos ou não todas as backstorys do universo Devil May Cry, conseguimos apreciar esta introdução, que não sendo perfeita, merece uma nota positiva. Embora tenha os seus momentos absurdos, a Capcom leva a história de Devil May Cry muito a sério. As notas de humor, e por vezes até de ironia, tornam a experiência final muito mais gratificante.

Sempre Com Muito Estilo

Devil May Cry 5 sobe e desce conforme a ação desenrola. É agradável notar que a velocidade da narrativa é um pouco mais lenta que em DmC ou Bayonetta, e isso é mais do que compensado pela dinâmica geral e pelas diferenças entre os três heróis principais. Apesar de todas as semelhanças na jogabilidade, as diferenças no estilo de luta entre Nero, V e Dante, garantem uma experiência de jogo variada.

Infelizmente, durante a primeira secção da história, não temos opção na escolha do personagem com que queremos jogar. Apenas depois das 20 primeiras missões, podemos entrar num modo mais aberto, e selecionar o personagem que preferirmos, com acesso a novas ações e habilidades.

Devil May Cry 5
Devil May Cry 5. Imagem: DR

Durante o jogo, podemos colecionar orbs vermelhas para desbloquear novos elementos na oficina de Nico, que, embora não lute, serve como um importante suporte da história. As melhorias base são partilhadas pelos vários personagens, assim como a barra de vida e as orbs douradas, que permitem renascer. Os diferentes estilos de luta entre cada personagem são uma mais valia que faz aumentar a longevidade.

Nero utiliza o seu braço mecânico personalizável, a espetacular espada Red Queen e uma pistola destruidora, a Blue Rose, que complementam o seu arsenal bélico. V, invoca criaturas para derrotar os inimigos, e sendo, teoricamente, o mais limitado dos heróis, geralmente só intervém nos confrontos já na fase final. Dante defende-se dos demónios com o seu arsenal de armas personalizável, que permitem um estilo corpo-a-corpo ou de longo alcance, assim como os estilos já conhecidos de jogos anteriores, como Trickster ou Swordmaster.

No final, não importa quem utilizamos, ou que armas escolhemos, porque todo o dano será pouco para derrotar as forças demoníacas. Para desbloquear todos os elementos extra, também não basta ser eficaz durante a matança, é preciso ter estilo… muito estilo! Para manter as pontuações ao nível máximo, dentro da categoria dos espetaculares S a SSS, temos de variar o mais possível os nossos ataques, sempre encadeados e sem falhas. Só assim é possível atingirmos a magnânima pontuação de Smokin’ Sexy Style!!

Devido a algumas ligeiras falhas na jogabilidade, pode tornar-se um pouco frustrante quando somos atingidos por um inimigo, mesmo quando a manobra evasiva parece ter sido executada na perfeição, mas, de uma forma geral, as mecânicas de combate e a resposta aos inputs são excelentes.

Lutar Com Todos, Até Com A Câmera

A jogabilidade de Devil May Cry 5 é de facto geralmente muito boa, mas alguns detalhes evitam que seja irrepreensível. Se os ligeiros atrasos nas reações podem ser irritantes, pior é mesmo a necessidade constante de ajustar a câmera. Este pequeno pormenor impede-nos por vezes de medir corretamente as distâncias, falhando ataques e saltos aparentemente fáceis de executar.

Isto raramente afeta a experiência, mas os jogadores mais exigentes, amantes da perfeição, podem ver aqui um obstáculo. Devil May Cry 5 é extremamente agradável de jogar, mas estas pequenas imperfeições vêm escurecer uma pintura que até então era imaculada.

Felizmente, tudo isto é fácil de esquecer perante o grafismo bem trabalhado que encontramos neste jogo. O motor de jogo usado no Resident Evil 7, e mais recentemente, no remake de Resident Evil 2, permite chegar até à resolução 4K, nas consolas PlayStation 4 Pro e na Xbox One X, e obviamente nos PCs que suportem tal resolução. E tudo isto com uns fantásticos 60 frames por segundo! Não pudemos deixar de sentir alguma influência de jogos como Dark Souls ou Bloodborne, no design deste novo Devil May Cry. Não tanto pela dificuldade, mas sim pela palete de cores usada no jogo. Mais escuro, mais frio, e mais sangrento, DMC 5 oferece também novos inimigos mais assustadores do que nunca.

Uma Nova Abordagem

Devil May Cry 5 apresenta inimigos muito diferentes uns dos outros, que nos abrigam constantemente a alterar a forma de jogar. Somos forçados a aproveitar a enorme gama de ataques à nossa disposição, mantendo sempre uma particular atenção à defesa. Devil May Cry sempre foi bastante exigente nos controlos, mas este novo episódio é um passo à frente, com inimigos talvez menos agressivos nas suas reações do que no passado, são agora muito mais fortes e resistentes. Apenas alguns golpes serão suficientes para derrubar o nosso herói, obrigando-nos a desviar-nos frequentemente.

Devil May Cry 5
Devil May Cry 5. Imagem: DR

Os ambientes apresentam uma decoração neogótica de boa qualidade, com talvez uma inspiração londrina. No entanto, o jogo é muitas vezes demasiado fechado, e os nossos heróis parecem navegar constantemente por labirintos. Se durante a fase de descoberta, notamos algumas ideias interessantes, voltamos com demasiada frequência à árvore demoníaca, o epicentro de toda a história, até nos cansarmos dela por completo. Falta também algum detalhe extra aos ambientes interiores, com todos os quartos e corredores aparentemente iguais. Para um jogo com tanto estilo, esperávamos mais algum trabalho nestes pormenores.

Os confrontos ganharam mais dinamismo e emoção, especialmente nas lutas contra os Bosses finais, a maioria delas bem conseguidas e originais. Alguns inimigos são bem mais complicados que outros, e nem sempre os mais assustadores são os que nos causam mais problemas. Coisas normais quando lutamos com criaturas vindas do inferno.

Se gostarmos muito de Devil May Cry 5, podemos perder horas intermináveis a aperfeiçoar o nosso estilo de combate, e garantir um triplo S em todas as lutas. Por outro lado, se quisermos descobrir o fim do jogo rapidamente, podemos sempre terminá-lo em três minutos, graças ao seu final secreto, que não vamos divulgar.

Dividir Para Conquistar

Por vezes o jogo avisa-nos se outro jogador estiver presente na mesma missão, com uma mensagem informativa no ecrã, acompanhada do nome do jogador. Se não existir, em lugar nenhum do mundo, um jogador que esteja exatamente na mesma missão, a informação do nome é alterada para “The DMC crew”, e no lugar do personagem estará uma gravação de gameplay de um elemento da equipa de desenvolvimento. Se disser algo como “TheKiller37”, há uma forte possibilidade de ser um jogador real.

Não há opções reais de co-op no menu principal e nenhum sitio para convidar amigos para o nosso jogo. Não existe realmente interação entre os jogadores, pelo que este é um falso modo cooperativo. No ecrã, conseguimos ver os personagens, mas não conseguimos chegar até eles, nem criar qualquer interação. Somos separados por uma parede ou outros objetos, e apenas podemos vê-los à distância, e de forma temporária. Chegamos mesmo a completar missões, sem nunca os ver. Apesar de partilharmos a mesma missão, estes jogadores não interferem no resultado final, podendo até terminar a missão mais cedo do que nós.

Devil May Cry 5
Devil May Cry 5. Imagem: DR

Existe um benefício em partilhar as missões desta forma. No final do nível poderemos classificar o nosso colega de equipa como ‘Stylish’, fazendo com que receba uma orb dourada. Da mesma forma, os outros jogadores também podem classificar-nos para receberemos a mesma recompensa. A única outra opção é não classificar, e uma vez que não existem contrapartidas para um voto positivo, não perdemos nada em sermos simpáticos. Infelizmente, não reparámos em qualquer nota informativa de termos recebido qualquer classificação. A ideia deste modo é muito boa, mas temos pena que não exista uma real interação com os outros jogadores, e se pudéssemos convidar amigos seria como a cereja no topo do bolo. Fica-se por uma boa ideia, com um potencial desaproveitado.

As Microtransações

Não podíamos deixar de comentar a decisão da Capcom em implementar transações com dinheiro real. Esta não é a primeira vez que a saga recebe este tipo de sistema, uma vez que já na edição especial de Devil May Cry 4 existia a possibilidade de comprar orbs, e por sua vez fazer upgrade a algumas skills e itens. Se na altura esta opção não agradou a toda a comunidade, Devil May Cry 5 leva a função um pouco mais longe. Não só somos aliciados a comprar orbs pelo menu principal de jogo, como também seremos convidados durante o jogo a visitar a loja online, se, por exemplo, esgotarmos as orbs douradas necessárias para renascer. Se é relativamente fácil estarmos preparados para estas situações, colecionando as orbs antecipadamente, achámos um pouco exagerada a forma como o jogador é compelido a comprá-las.

A loja inclui ainda outros extras, como as orbs azuis, que aumentam a barra de vida de forma permanente. Uma vez que também é possível desbloquear estas melhorias durante o jogo, estes extras acabam por não ter um impacto assim tão grande na jogabilidade. Até ao momento, os upgrades cosméticos, banda sonora bónus e os Devil Breakers extra para Nero, apenas estão disponíveis com a versão Deluxe do jogo.

Devil May Cry 5
Devil May Cry 5. Imagem: DR

VEREDITO

Destruir hordas de criaturas do mal com destreza e arte pode ser uma forma eficaz de nos mantermos vivos, mas fazê-lo com estilo é muito mais fascinante. Em Devil May Cry 5 não basta sabermos jogar, temos de saber fazê-lo de uma forma vistosa. Aqui, a nota artística é importante, pois é ela que define se somos ‘cool’ ou não, e os upgrades que podemos fazer aos heróis do jogo. Estes obscuros personagens são os escolhidos para salvar a Terra da destruição eminente. Com armas invulgares e poderes sobrenaturais, somos convidados a percorrer uma série de missões onde a ordem do dia é aniquilar tudo o que é extraterrestre.

Nico e V fazem parte do conjunto de novos personagens que introduzem no jogo dinâmicas inovadoras. Se Nico é um suporte fundamental aos nossos heróis, V trás uma nova forma de jogar, com criaturas invocadas que compensam a sua fragilidade enquanto guerreiro. Estas inovações vieram dar mais profundidade à história, além de oferecer diferentes opções e mais conteúdo para nos entreter.

Devil May Cry 5 é um hack and slash mais sombrio que os seus antecessores, com ambientes que fazem lembrar jogos de horror e inimigos mais trabalhados. Esta nova abordagem parece encaixar melhor no género, que embora pareça tornar-se mais sério, ainda contempla muitos momentos de humor. Com gráficos melhorados, provavelmente devido ao novo motor de jogo, ficaram apenas alguns detalhes para melhorar, principalmente nos ambientes interiores.

A introdução de um modo cooperativo dissimulado, onde partilhamos uma missão com outro jogador, não nos impressionou. Apesar da série Devil May Cry nunca ter introduzido qualquer modo multijogador, achamos que esta não é a melhor forma de testar a recetividade dos fãs. Teria sido mais interessante levar este modo um pouco mais longe, com alguma interação e a possibilidade de convidar amigos, onde o sucesso da missão dependia de ambos.

As microtransações são a tendência atual nos jogos, mas não precisam de ser uma pandemia, e este jogo podia viver sem elas. Felizmente não comprometem a experiência, mas podem deixar um mau sinal futuro. Esperemos que não.

Devil May Cry 5 não é um jogo para toda a gente. O género demoníaco e a forma como decorrem as lutas são características únicas da série, onde nem sempre terminar rápido um confronto é recompensado. A própria natureza do jogo, a história e até os personagens, são elementos que parecem ter sido retirados de um filme de terror. No entanto, para quem gosta de aventuras fortes, acrobacias vistosas enquanto lutam contra criaturas grotescas, este pode ser o jogo ideal, e certamente os fãs da série não ficarão desiludidos. Este é provavelmente um dos melhores Devil May Cry de sempre.

 

Para enviar uma sugestão, tens de fazer ou .
Positivo
Os três personagens jogáveis conferem maior dinamismo à jogabilidade.
História e cutscenes encaixam perfeitamente no legado da saga.
Sistema de controlos solido e agradável.
Visuais bem trabalhados, com uma nova abordagem mais sombrio que favorece a saga.
Negativo
Sistema de desvio nem sempre funciona corretamente.
Movimento da câmera apresenta algumas falhas.
Microtransações são um pouco forçadas.
Sistema Co-op é um pouco fraco.
8.6
Muito Bom

Comentários

Ainda sem comentários!

avatar
2000
  Subscrever  
Notificar: